Polícia

Com um mês de atraso, reforço policial é anunciado para a Zona Sul

Promessa é de que contingente de cidades como Pedro Osório, Cerrito e Morro Redondo, que têm menos de três PMs por turno, fosse aumentado em junho

12 de Julho de 2017 - 18h30 Corrigir A + A -

Por: Giulliane Viêgas
giulliane.viegas@diariopopular.com.br

Policiais militares fazem blitz na avenida Ferreira Viana, Zona Leste de Pelotas, em imagem de arquivo; reforço no contingente da Brigada Militar em municípios da região que têm menos de três servidores por turno agora ficou para o fim deste mês, após promessa de que vagas seriam preenchidas em junho (Foto: Infocenter DP)

Policiais militares fazem blitz na avenida Ferreira Viana, Zona Leste de Pelotas, em imagem de arquivo; reforço no contingente da Brigada Militar em municípios da região que têm menos de três servidores por turno agora ficou para o fim deste mês, após promessa de que vagas seriam preenchidas em junho (Foto: Infocenter DP)

Embora a promessa de que até junho todas as 52 cidades do Rio Grande do Sul com menos de três policiais militares por turno ganhariam reforço, a Zona Sul deve receber novos policiais somente a partir do dia 20 deste mês, após a formatura dos mais de mil novos PMs que devem ingressar na corporação. Os recém-formados, entretanto, serão destinados à capital e Região Metropolitana. A informação é do comandante do Comando Regional de Policiamento Ostensivo do Sul (CRPO-Sul), tenente-coronel Carlos Alberto de Andrade. Os militares devem chegar à região mais de um mês depois do prazo máximo previsto pelo governo do Estado.

Até o final deste mês cerca de 30 a 40 policiais militares devem ser realocados para a Zona Sul. Além deles, os 16 PMs, incluindo um oficial, deslocados para Porto Alegre no início do ano devem retornar à região nos próximos dias. O reforço, no entanto, ainda não tem destino certo. Segundo Andrade, as cidades que devem receber os policiais ainda é dúvida para o comando. "O que se sabe, por enquanto, é que vão vir", disse o comandante do CRPO-Sul. 

Pelo menos oito municípios que fazem parte da cobertura do CRPO-Sul contam com menos de três policiais por turno. A maioria deles, segundo a Brigada Militar, fica na região de domínio do 30º Batalhão de Polícia Militar (Camaquã, Centro-Sul do Estado - a 135 quilômetros de Pelotas), onde a situação é considerada mais crítica. Entre esses, porém, três (Pedro Osório, Cerrito e Morro Redondo) estão localizadas na área de abrangência do 4º Batalhão de Polícia Militar (Pelotas). Neles, por vezes, o policial do Cerrito atua na BM de Pedro Osório para, em caso de chamamento, uma guarnição composta por dois militares possa se dirigir até o local da ocorrência.

Devido à falta de policiais, o posto da Brigada Militar no Cerrito chega a ficar vazio e desocupado. Por precaução, armas e equipamentos utilizados pela BM são retirados quando o local não conta com plantonista. Pedro Osório e Morro Redondo também encaram obstáculos e contam com apenas um PM por escala. “É uma preocupação para todos, inclusive para nós. Se acontece alguma ocorrência grave não tenho como atender porque estou sozinho. Todos sofrem com o descaso do governo”, desabafou um PM do Morro Redondo. 

O atual déficit de policiais militares nas ruas da Região Sul é de pelo menos 40%, segundo policiais do 4º BPM. No Estado, a escassez de policiaimento, embora os novos concursados, supera 15 mil PMs.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados