Insegurança na Educação

“A cada dez dias levam nossa merenda”

Audiência pública trata de medidas a curto e a longo prazo para enfrentar a criminalidade que ronda as escolas do município

14 de Julho de 2017 - 11h35 Corrigir A + A -
Santa Rita. Já foram sete invasões apenas este ano (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Santa Rita. Já foram sete invasões apenas este ano (Foto: Carlos Queiroz - DP)

As escolas estão inseguras. Isso ficou claro na audiência pública na Câmara de Vereadores de Pelotas na tarde de quinta-feira (13). São assaltos a estudantes, furtos de merenda, material escolar e equipamentos. O espaço, voltado à educação de jovens e crianças, se transferiu para o plenário legislativo para debater medidas que estabeleçam segurança e bem-estar à comunidade escolar.

O debate foi chamado pela vereadora Fernanda Miranda (PSOL), vice-presidente da Comissão de Educação da Câmara. Fernanda apresentou ações que, segundo ela, podem ser desenvolvidas a curto e a longo prazo. No curto, seria mapear escolas em maior vulnerabilidade, fazer ronda na entrada e na saída de alunos, instalar equipamentos de segurança, melhorar a iluminação, entre outras ações. A longo prazo, promover atividades de cultura, lazer e esporte nas periferias, medidas que integrem a comunidade com a escola.

Representando a área da segurança, participaram o secretário de Segurança Pública, Tenente Bruno, e o subcomandante do 4º BPM, major Facin. Bruno falou que a solução passa por ações em conjunto entre todas as entidades e que um estudo junto à Secretaria Municipal de Educação e Desporto (Smed) está monitorando e mapeando escolas com problemas em alarmes. Ele ainda criticou as políticas do governo do Estado de enxugar os efetivos da Brigada Militar. Facin elogiou o debate, que discutiu os motivos e os problemas de desestruturação do Estado enquanto mediador de conflitos. “Queremos ouvir pra melhorar nosso trabalho”, disse. O titular da Smed, Artur Corrêa (PTB), tratou das ações da pasta. “Estamos pagando 3,8 mil horas extras para a guarda atuar nas 88 escolas”, exemplificou. Conforme Corrêa, a Secretaria foi a única que não sofreu contingenciamento de gastos.

Nas escolas
Na terça-feira da semana passada a Escola Estadual Franklin Olivé Leite, na Cohab Lindoia, foi invadida por um assaltante armado que levou o celular de um estudante. A diretora Nádia Silveira disse que tem filhos no local e está preocupada. “É uma escola com 800 alunos e não tem um monitor”, reclamou.

Próxima a uma área nobre de Pelotas está localizada a Escola Estadual Santa Rita. Conforme a vice-diretora do turno da noite, Vera Saldanha, os roubos têm sido sistemáticos no entorno, principalmente à noite. “A cada dez dias levam nossa merenda”, declarou Vera na tribuna. A escola já foi invadida sete vezes este ano, e foram furtados merenda, material de educação física, televisão. Aos finais de semana todos os itens de valor são retirados do refeitório para evitar perdas.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados