Série B do Brasileiro

Paysandu pode perder pontos após denúncia por discriminação de gênero

Integrantes de torcida organizada agrediram torcedores do próprio time, membros da Banda Alma Celeste, que se posicionou a favor da causa LGBT; Papão pode perder também um mando de campo e ter que pagar multa

14 de Julho de 2017 - 15h21 0 comentário(s) Corrigir A + A -
Banda Alma Celeste apoia a causa LGBT (Foto: Gerson Rocha)

Banda Alma Celeste apoia a causa LGBT (Foto: Gerson Rocha)

O Paysandu Sport Club, adversário do Brasil na Série B do Campeonato Brasileiro, foi denunciado pelo Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) por discriminação de gênero. Atos homofóbicos foram praticados por uma das torcidas organizadas do clube - a Terror Bicolor. Se condenado, o Papão pode perder três pontos e um mando de campo, além de ter que pagar uma multa de cem mil reais.

A denúncia partiu do procurador Leonardo Andreotti. Ela foi protocolada na última segunda-feira (10). O fato aconteceu após a derrota do Paysandu para o Luverdense há cerca de duas semanas. Integrantes da Terror Bicolor agrediram torcedores do próprio time - a torcida Banda Alma Celeste. O motivo, de acordo com boletim de ocorrência registrado, é que os agredidos se manifestaram a favor da causa LGBT. No registro, os torcedores relataram que o episódio de agressão foi apenas mais um caso. Já houve, inclusive, ameaças de morte. 

O Paysandu emitiu uma nota dizendo que "jamais admitirá qualquer tipo de agressão e/ou ameaça a torcedores por questões de raça, credo, gênero ou orientação sexual". O clube foi denunciado também por não tomar providências para reprimir ou prevenir desordens no estádio. Este é o primeiro caso de denúncia por preconceito de orientação sexual no futebol brasileiro. Em 2014 um caso acabou arquivado ainda na fase de inquérito.

Com 14 pontos, o Papão ocupa a 16ª posição na tabela da Série B. É o primeiro time fora da zona de rebaixamento. A perda de três pontos deixaria o time paraense na penúltima colocação.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados