Finanças

Hora de prestar contas

Reunião do Conselho, que ocorre nesta quinta-feira, irá abordar diversos temas importantes do clube

07 de Agosto de 2017 - 10h28 Corrigir A + A -

Por: Sérgio Cabral
cabral@diariopopular.com.br 

Cláudio Andrea  irá presidir o encontro  (Foto: Divulgação - DP)

Cláudio Andrea irá presidir o encontro (Foto: Divulgação - DP)

Os conselheiros do Grêmio Esportivo Brasil terão uma boa oportunidade para saber como anda a situação financeira do clube. Em reunião quinta-feira (10), às 19h30min, serão analisados assuntos como as obras, as despesas da base, o CT da Sanga Funda, os aluguéis das arquibancadas, as promoções com ingressos, o que entra do quadro de sócios e o que o clube gasta por mês para disputar o Brasileiro da Série B. Outros temas também estão na pauta que será coordenada pelo presidente Cláudio de Andrea e a sua diretoria no Conselho Deliberativo.

O presidente Andrea destacou o motivo da reunião e falou ao Diário Popular sobre a importância da presença dos conselheiros. “Os nossos objetivos principais são colocar a situação do clube para os conselheiros e passar a limpo como o clube vive neste momento. Precisamos saber e discutir os assuntos dentro do clube. Já pedimos para o Selmar Pintado (vice-financeiro) reunir tudo o que se passa de janeiro até agora e colocar para todos na reunião. O futebol mudou muito e não podemos mais aceitar situações que ainda prejudicam o clube. Antigamente os dirigentes eram porteiros, bilheteiros, fiscais, hoje são mais de 150 contratos por partida. É muito caro fazer futebol”, adiantou Andrea.

Alguns números
Hoje, através do presidente Ricardo Fonseca, sabe-se que o clube tem prejuízo de cerca de R$ 30 mil por partida, com aluguel de arquibancadas. Que investe R$ 70 mil/mês na base, paga quase R$ 500 mil em salários ao grupo profissional, tem 3,8 mil sócios em dia e ainda gasta R$ 180 mil/mês de Profut. Como o Brasil adiantou verba da CBF (TV) no final do ano passado, recebe um pouco menos de R$ 500 mil/mês para jogar a competição nacional. Outro tema que deverá entrar na pauta da reunião, é a verba de patrocínios que o clube recebe da Caixa e de outros parceiros que estão no seu fardamento.

Temas da reunião

Patrimônio
“Precisamos saber como andam as situações do vestiário do visitante. O que ainda falta para o acesso do ônibus do vestiário e ainda sobre o PPCI. Vamos ouvir do Nilton o que ainda resta fazer para a liberação total.”

Investimentos
“Não sabemos bem o que entra de dinheiro e o que o clube investe para todos os departamentos. Os sócios, ingressos, base, arquibancadas, folha. Não posso falar nada, mas vamos saber de tudo na quinta-feira e espero que os conselheiros façam parte deste encontro. Pois são muitas bobagens e mentiras colocadas nas redes sociais e isso prejudica o bom andamento de tudo.”

Campanhas para sócios
“Não sou contra as campanhas que levem torcedores ao campo, como o ingresso solidário - já falei com a Janaína. Mas o certo seria o sócio solidário, assim o clube chegaria aos 10 mil colaboradores; isso ajudaria o Brasil a manter o equilíbrio financeiro, sempre. Se chover, se tiver frio, não importa, pois assim o clube arrecadaria sempre. Eu adotei um sócio, há muito tempo. Incrível o Brasil não contar com 10 mil associados ainda. A Chapecoense tem 28 mil sócios, será que não podemos ter 10 mil xavantes sócios? Precisamos discutir tudo e ver a realidade do clube, antes de qualquer promoção pontual.”

A TV dá e tira
“É muito importante estarmos na Série B e nos melhores 40 clubes do país. Desde 1920 já disputamos competições nacionais. Depois, de 1978 até hoje, estamos sempre em certames do Brasileiro. Hoje a TV patrocina a CBF e apoia os clubes, mas a TV também tira público do estádio com as suas promoções e assinaturas. Os bares estão lotados e muita gente deixa de ir ao estádio apoiar o clube, para ficar nos bares bebendo e vendo o jogo. Por isso, temos que ter fontes de arrecadação e contar cada vez mais com os nossos xavantes - todos associados.”

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados