Ação

Projeto conscientiza jovens sobre malefícios das drogas

Juventude Assistida foi implementado em duas instituições de ensino do município e deve ser mantido durante todo o ano letivo

12 de Setembro de 2017 - 21h37 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Palestra com sargento da Brigada Militar na Escola Helmar da Costa, no Jardim América (Foto: Divulgação/Satolep Press)

Palestra com sargento da Brigada Militar na Escola Helmar da Costa, no Jardim América (Foto: Divulgação/Satolep Press)

O programa Juventude Assistida tem foco na conscientização de jovens sobre os malefícios que o envolvimento com drogas pode causar às suas vidas. Foi pensando em aumentar o número de adolescentes que dizem não ao mundo da drogadição que a Loja Maçônica Tiradentes II Nº 71, do Capão do Leão, efetivou uma parceria com a Fundação Maçônica Educacional e trouxe a proposta do projeto "Drogas Nunca! Educação e Profissionalização Sempre!". Após a aprovação do projeto no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, a iniciativa recebeu o aporte de R$ 30 mil da Ecosul, por meio da Lei de Incentivo da Criança e do Adolescente.

O Juventude Assistida foi implementado em duas instituições de ensino leonenses. A Escola Municipal de Ensino Fundamental Professor Elmar da Silva Costa e a Escola Municipal de Ensino Fundamental Comunitária Parque Fragata são as contempladas. A iniciativa desenvolvida nos educandários tem base em três pilares: prevenção às drogas, educação e profissionalização. Com o apoio das forças de segurança e instituições com responsabilidade social e cultural, o projeto leva palestras e oficinas de teatro, música, dança, paródia, desenho e produção de texto para os alunos e envolvidos.

A estimativa é de que hoje existam 1,26 milhão de dependentes do crack no Brasil. Para o coordenador de comunicação Institucional da Ecosul, Johny Calegaro, o programa é de extrema importância para a comunidade e para o futuro destas gerações. “Prevenir o envolvimento de crianças e adolescentes com o crack e outras drogas é um dever de todos nós e temos claro que a cada palestra onde se evidência os danos causados pelas drogas, menos crianças estarão curiosas em experimentar”, avalia.

O programa ocorre durante todo o ano letivo de 2017, com a abrangência a cerca de 800 jovens e adolescentes. “A ideia é despertar no coração e no pensamento dos jovens, a importância de se tomar uma atitude correta, apesar de todas as diversidades existenciais e pessoais”, destaca. De acordo com o planejamento do projeto, para os próximos anos a meta é continuar a iniciativa, ampliando o número de escolas da rede municipal.

*Informações da Satolep Press


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados