Reaproveitamento

Redeiras levam técnicas até o Sesc Pompeia

Novidade deste começo de 2018 foi o convite para que representantes do Redeiras levem técnicas de reaproveitamento e reciclagem de redes de pesca, escamas e couro de peixe, as matérias-primas que utilizam para a confecção de peças artesanais como biojoias

06 de Janeiro de 2018 - 16h00 Corrigir A + A -

Por: Maria da Graça Marques
graca@diariopopular.com.br 

Redes de pesca descartadas viram matéria-prima para artesanato (Foto: Paulo Rossi - DP)

Redes de pesca descartadas viram matéria-prima para artesanato (Foto: Paulo Rossi - DP)

Mercado para os produtos está conquistado em todo o país, com uma grande nova encomenda feita agora por cliente de Belém, no Pará, conta a gestora do Grupo Redeiras, Rosani Schiller. A novidade deste começo de 2018 foi o convite para que representantes do Redeiras levem técnicas de reaproveitamento e reciclagem de redes de pesca, escamas e couro de peixe, as matérias-primas que utilizam para a confecção de peças artesanais como biojoias, bolsas e acessórios. Três integrantes do Redeiras ministrarão oficina no Sesc Pompeia, na capital paulista.

O Grupo Redeiras é formado por artesãs da Colônia de Pescadores Z-3, às margens da Lagoa dos Patos, e surgiu da necessidade do reaproveitamento das redes de camarão e peixes descartadas pelos pescadores do local. Nove anos depois, com apoio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, o Redeiras desenvolveu diversas ações de qualificação, inclusive de criação de produtos, o que lhe abriu mercados junto a lojas principalmente de São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Minas Gerais.

Junto com Rosani, viajam a São Paulo a presidente do Grupo Redeiras, Karine Soares, e associada Flávia Pinto, que desenvolverá na oficina do Sesc Pompeia as técnicas de confecção de biojoias. À Karine caberá a abordagem sobre o acesso, a lavagem, o recorte e o tingimento das redes. O recorte, segundo Rosani, deve proporcionar um fio mais longo, que valoriza a peça. A gestora falará sobre a formação do Redeiras e também dos preços. Hoje, são dez as associadas.

Sobre o convite, a gestora diz que não assusta contar o segredo do trabalho do Redeiras. “Tem mercado para todo mundo”, explica Rosani, que começou a atuar com o grupo ainda como consultora do Sebrae gaúcho em Pelotas. As três viajam no dia 15 e as oficinas ocorrerão entre os dias 16 e 19, das 13h às 17h. Nelas, repassarão técnicas de lavagens, cuidados e conservação de matérias-primas e confecção das peças em crochê e tecelagem em tear de pregos e com escamas de peixes.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados