Estelionato

Mãe de sobrevivente é vítima de golpe aplicado por presidiário

Detento se passou por falso médico e exigiu R$1,5 mil; no fim da conversa, criminoso pediu desculpas

09 de Janeiro de 2018 - 16h08 Corrigir A + A -

Por: Giulliane Viêgas
giulliane.viegas@diariopopular.com.br

Acidente aconteceu no primeiro dia do ano

Acidente aconteceu no primeiro dia do ano

A mãe do jovem Jonathan Ferreira, 21, sobrevivente de um acidente que matou sete pessoas no dia 1º de janeiro, na BR-471, em Santa Vitória do Palmar foi vítima de mais um golpe. Desta vez, aplicado por um presidiário que se fez passar por médico da Santa Casa de Rio Grande, onde seu filho permanece internado em estado gravíssimo

Maria Ferreira, 52, conta que por volta das 11h30 da última sexta-feira, recebeu a ligação de uma pessoa que se identificou como o responsável pela cirurgia que Jonathan havia sido submetido. Do outro lado da linha, o falso médico informou que o rapaz precisaria passar por outros procedimentos no pulmão e na cabeça. Avisou Maria que teria acionado recursos mais qualificados para atender Jonathan e que um médico chamado Magno Patrick Martins Fernandes seria o responsável pela nova cirurgia. No entanto, para isso, a mãe do rapaz precisaria desembolsar R$ 1,5 mil para os custos do tratamento.

Sem pensar duas vezes, Maria se dirigiu rapidamente a uma lotérica onde fez o depósito. O estelionatário disse que a mãe de Jonathan precisaria enviar cópia do depósito e do RG dela e do filho. Enviado o comprovante e os documentos, uma nova ligação informou que os recursos já estavam à disposição de Jonathan e que logo ele seria submetido a uma cirurgia que lhe ajudaria na recuperação.

Maria correu para à Santa Casa e minutos depois recebeu outro telefonema: "Maria, me desculpa, me perdoa mesmo mas teu filho não vai passar por cirurgia, tu sofreu um golpe e eu sou um presidiário".  Nesse momento, a dona de casa desabou. "Me senti muito mal porque até então era uma esperança para todos nós. O dinheiro foi e eu nunca mais vou recuperar. Acreditei na história porque não perco a fé de ver meu filho recuperado", comentou. O criminoso teve acesso ao número de celular da vítima após o mesmo ter ligado para a filha de Maria dizendo que era médico e queria falar com a mãe do rapaz. "Não sei como ele conseguiu o número da minha guria. Como ele se identificou e num momento difícil como esse, ela deu meu telefone", disse. 

Ao Diário Popular, Maria disse que os médicos da Santa Casa de Rio Grande teriam comunicado à família que Jonathan está com morte encefálica. "Vou lutar por ele até o fim, não desisto de ti, meu filho".

A Polícia Civil de Rio Grande investiga o caso.

 

 

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados