Aumento

Petrobras anuncia alta no preço do diesel

Em Pelotas, preços variam de R$ 2,94 a R$ 3,24; combustível é o principal modal usado no País para veículos de carga e de passageiros

10 de Janeiro de 2017 - 07h30 0 comentário(s) Corrigir A + A -
Anúncio do aumento foi feito na última sexta-feira (Foto: Jerônimo Gonzalez - DP)

Anúncio do aumento foi feito na última sexta-feira (Foto: Jerônimo Gonzalez - DP)

O diesel está mais caro desde a última sexta-feira (6), quando entrou em vigor o novo reajuste de 6,1% divulgado pela Petrobrás. Na prática, cada litro vai custar R$ 0,12 a mais. Principal modal usado no Brasil, o transporte rodoviário terá impacto direto. Assim como o próprio consumidor deve sentir os respingos do anúncio.

Em consulta realizada pelo Diário Popular com abastecedoras de Pelotas, o preço mais alto na cidade chega a R$ 3,24. O valor mais baixo encontrado é R$ 2,94. O reajuste também é válido para o diesel S-10 (aditivado) - este é vendido a R$ 3,42. Já a gasolina não sofreu alteração dessa vez.

Cortando um pedaço de carne próximo à traseira do veículo, o autônomo Ivanor Zullioto, 42, preparava seu almoço na segunda-feira (9), estacionado num posto à margem da BR-392. Natural de Ibiraiaras, no norte do estado, hoje pensa em vender o caminhão e ter outra ocupação. O cenário não é favorável. Segundo o caminhoneiro, enquanto existe grande oferta de freteiros e aumento do preço dos combustíveis, o valor do serviço segue desajustado no mercado.

Daniel Oliveira, (62), já teve seis caminhões e hoje tem dois. Há 44 anos como caminhoneiro, o atual contexto é o pior vivido por ele desde o início da carreira. Outro fator, segundo o motorista, que eleva o preço final do frete é o pedágio. “Gasto mais em pedágio indo daqui (Pelotas) a Rio Grande do que em combustível”, reclama. Caminhões de seis eixos pagam R$ 64,10 ao passar por uma cancela da Ecosul.

De acordo com Oliveira, o preço de um carregamento para Rio Grande custa em média R$ 550,00. Com a calculadora em uma das mãos, ele digita números. Oliveira vai apontando os gastos. “R$ 116,00 em pedágio, R$ 209,00 em combustível, 15% de comissão para o motorista (R$ 82,50), sobrando muito pouco para outras despesas”, esclarece. Os R$ 143,00 que sobram são para despesas como pneu, óleo do motor, impostos, seguro, entre outros. Um pneu custa, em média, R$ 1.500,00. Um frete até Rio Grande, explica Oliveira, leva normalmente de dois a três dias entre o carregamento e a entrega da carga. A média é de dois fretes por semana.

O agenciador de fretes Marcelo Bosembecker, compara com o preço pago no litro de gasolina. De acordo com ele, o valor é revertido e reflete no custo das mercadorias. Num cálculo de uma carga para São Paulo, o valor estaria próximo a R$ 4.500,00 - os custos em combustível estaria próximo a R$ 2.000.


Comentários


  • Não há comentários, seja o primeiro a comentar!


Diário Popular - Todos os direitos reservados