Poder

Ano legislativo inicia na Câmara

Único esboço de embate foi entre Fernanda Miranda e o líder do governo, Fabrício Tavares (PTB); ela cobrou pagamento do piso e ele a desafiou a apontar cidade governada pelo PSOL que cumpre a legislação

16 de Fevereiro de 2017 - 18h18 0 comentário(s) Corrigir A + A -
Em primeiro plano, à esquerda, os filhos gêmeos de apenas 40 dias da vereadora Daiane Dias (PSB) durante a sessão da manhã desta quinta-feira na Câmara de Vereadores; escolha dos presidentes e vices das comissões temáticas do Legislativo está prevista para a semana que vem (Foto: José Pacheco-Câmara de Vereadores)

Em primeiro plano, à esquerda, os filhos gêmeos de apenas 40 dias da vereadora Daiane Dias (PSB) durante a sessão da manhã desta quinta-feira na Câmara de Vereadores; escolha dos presidentes e vices das comissões temáticas do Legislativo está prevista para a semana que vem (Foto: José Pacheco-Câmara de Vereadores)

As sessões ordinárias da Câmara de Vereadores de Pelotas foram retomadas nesta quinta-feira (16). Já na véspera o presidente da Casa reassumiu o cargo após afastamento de 20 dias para compromissos pessoais. O vice Roger Ney (PP) foi quem comandou a câmara no período. Viana abriu os trabalhos às 8h35. Ao todo foram três sessões referentes à terça, quarta e quinta-feira - dias definidos para os trabalhos no plenário. Comissões temáticas devem ser definidas na próxima terça-feira (21).

Três parlamentares estiveram ausentes por licença ou atestado - caso de Ademar Ornel (DEM) e Marcus Cunha. O trabalhista está em Brasília para participar de encontro de vereadores. Já Rafael Dutra Barriga (PTB) está fora do cargo até a próxima terça. Na ausência, foram substituídos pelos suplentes Sizenando (DEM), Professor Adinho (PDT) e Conceição Mohnsam (PTB), respectivamente.

As ausências impediram a definição das comissões temáticas, o que dividiu a opinião dos vereadores. Marcos Ferreira (PT) chegou a pressionar colegas para que se agilizasse esta questão. Anderson Garcia (PTB) e Waldomiro Lima (PRB) recuaram, sob justificativa de que os partidos ainda não tinham definido nomes.

Na retomada dos trabalhos, a primeira vereadora a utilizar a tribuna foi Fernanda Miranda (PSOL). Ela criticou o governo Paula pelo não pagamento do piso dos professores da rede pública municipal. De acordo com ela, servidores recorrem ao Judiciário para cobrar o cumprimento da lei. Na sequência, o vereador Fabrício Tavares (PSD) falou sobre o Fórum de Gestão Pública promovido pela Federação das Associações de Municípios do RS (Famurs), que tratou do pacto federativo como uma das principais causas dos problemas enfrentados por gestores. Enquanto líder do governo, ele desafiou Fernanda (PSOL) a apresentar uma cidade administrada pelo PSOL onde o piso foi pago. Daniel Trzeciak (PSDB) falou do barulho em frente à Universidade Católica de Pelotas (UCPel) na Rua Gonçalves Chaves, entre D. Pedro II e Três de Maio. "Semana que vem voltam as aulas e os mesmos problemas", disse Trzeciak.

Já o vereador Antônio Peres (PSB) tratou da nova sistemática de cobrança da água pelo Sanep em condomínios. De acordo com o socialista, a lei em vigor a partir de 4 de janeiro ainda não está sendo cumprida. Marcos Ferreira (PT) optou pelos problemas enfrentados por moradores nos residenciais Amazonas, Acácia, Azaleia e Roraima ao usar a tribuna. O petista lembrou que os imóveis, previstos para dezembro, não foram entregues. Suplente de Rafael Dutra (PTB), Conceição Mohnsam se posicionou contra o piso salarial para o magistério. "Sou contra antes de valorizar o todo", opinou.

Na segunda sessão, Éder Blank (PDT), ex-presidente do Sindicato dos Rodoviários, tratou da importância da licitação para o transporte público e coletivo da zona rural, além da importância de garantir mais segurança nos veículos. Ele ainda chamou a população para audiência pública sobre a alteração de linhas no Porto e no Navegantes. A sessão proposta por Marcus Cunha (PDT) está marcada para o dia 21 deste mês, às 18h30min. O suplente Professor Adinho (PDT) falou sobre o piso para o magistério e sobre a baixa representatividade que os educadores têm no âmbito legislativo estadual e federal. A vereadora Daiane Dias (PSB), tratou do fato de recentemente ter se tornado mãe, no início do ano, e pouco mais de 40 dias após o nascimento, já estar trabalhando. Os recém nascidos Bernardo e Benício acompanhavam a sessão em carrinhos de bebê. Fabrício Tavares (PSD) falou sobre a baixa representatividade da zona sul no legislativo estadual e federal. Fernanda Miranda (PSOL) usou a tribuna para falar da importância da Prevpel para os servidores municipais.

Às 11h22 foi suspensa a sessão para uma reunião entre os vereadores. Na pauta, definição de presidentes e vices das comissões temáticas, a serem escolhidos na próxima terça.

Na terceira e última sessão iniciou às 11h36, apenas Fernanda Miranda (PSOL), usou a tribuna para falar da visibilidade de transexuais. Encerrada próximo das 12h, se reuniram no plenário os membros da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ), presidida por Anderson Garcia (PTB).

As sessões ordinárias ocorrerão sempre às terças, quartas e quintas no Plenário da Câmara a partir das 8h30.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados