Apoio

Casa de Acolhida para as crianças do Quilombo

Projeto do Banco de Alimentos Madre Tereza de Calcutá inaugura neste sábado no 7º Distrito

18 de Março de 2017 - 08h43 Corrigir A + A -
A coordenadora do Banco de Alimentos Madre Teresa de Calcutá, Maria Eulalie Fernandes, e o padre Armando Capone, durante visita ao Diário Popular; ambiente que irá acolher 20 crianças dos dois aos dez anos de idade no Quilombo, 7º Distrito de Pelotas, ainda precisa de utensílios como fogão industrial, freezer, geladeira, pratos, talheres, panelas, toalhas e colchões  (Foto: Paulo Rossi - DP)

A coordenadora do Banco de Alimentos Madre Teresa de Calcutá, Maria Eulalie Fernandes, e o padre Armando Capone, durante visita ao Diário Popular; ambiente que irá acolher 20 crianças dos dois aos dez anos de idade no Quilombo, 7º Distrito de Pelotas, ainda precisa de utensílios como fogão industrial, freezer, geladeira, pratos, talheres, panelas, toalhas e colchões (Foto: Paulo Rossi - DP)

Será inaugurada neste sábado, às 10h, a Casa da Acolhida Madre Tereza de Calcutá, que atenderá 40 crianças do Quilombo, 7º Distrito de Pelotas. A iniciativa do Banco de Alimentos Madre Tereza de Calcutá, com apoio da Paróquia Sant’Ana, busca dar novas oportunidades às 33 famílias que vivem em dificuldade, através de educação e empreendedorismo.

Na Casa da Acolhida uma monitora e uma merendeira cuidarão das crianças enquanto os pais estiverem trabalhando. No período das safras de pêssego, tabaco e cebola, quando os moradores do Quilombo conseguem a maior parte da renda anual, o local ficará aberto das 7h às 19h para possibilitar que os pais possam garantir o sustento, enquanto os filhos recebem reforço escolar e todas as refeições.

Espera-se que a partir de 3 de abril a Casa da Acolhida possa começar a receber as primeiras 20 crianças, com idades de dois a dez anos. “Precisamos de ajuda para terminar de montar a Casa”, disse Maria Eulalie Fernandes, coordenadora do Banco de Alimentos. Ainda faltam um fogão industrial, freezer, geladeira, pratos, talheres, panelas, toalhas e colchões. O Banco de Alimentos também busca mercados e distribuidoras de alimentos que possam ajudar com as refeições das crianças.

O padre Armindo Capone, que está auxiliando no contato com os moradores do Quilombo, contou que o local beneficiará toda a família, pois além do espaço para as crianças, uma cozinha industrial será montada, possibilitando que se façam bolos e doces para a venda. “Enquanto os pequenos aprendem, os pais podem conseguir um dinheiro extra” afirmou ele. O padre também destacou o poder transformador da educação, que pode trazer uma nova perspectiva de vida para as crianças e estimular o seu desenvolvimento. “Os adultos não se interessam por cursos, por isso estamos focando nos jovens”, finalizou.

As obras se iniciaram em 6 de janeiro de 2016 e terminaram em março. Tiveram um investimento de R$ 60 mil, conseguidos por meio de campanhas de doações, contou Maria Eulalie Fernandes. O projeto foi criado pelo arquiteto Noé Vega, recebeu grande apoio do Rotary Club Centenário e do Brechó Jurídico, responsável por arrecadar metade da verba necessária para a construção.

Para ajudar
Quem quiser doar algum dos itens em falta ou auxiliar com as despesas da Casa de Acolhida, pode entrar em contato com o Banco de Alimentos Madre Tereza de Calcutá através do telefone (53) 3273-2600. Também está sendo organizado um sistema de caronas para quem quiser participar da inauguração e conhecer o local.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados