Investimento

Projeto cria novo distrito industrial em Pelotas

Eixo Sul Complexo Logístico e Industrial recebeu licença ambiental e urbanística para iniciar as obras

19 de Abril de 2017 - 07h30 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Vinicius Peraça
vinicius.peraca@diariopopular.com.br 

R$ 20 milhões devem ser aplicados em infra-estrutura

R$ 20 milhões devem ser aplicados em infra-estrutura

Quase quatro anos após o lançamento da pedra fundamental de um condomínio industrial às margens da BR-116, as licenças ambiental e urbanística foram entregues pela prefeitura para a instalação do empreendimento. Na semana passada, representantes do Eixo Sul Complexo Logístico e Industrial receberam o aval para o início da comercialização de lotes e contratação da empresa que fará as obras de infraestrutura. O distrito é um dos três que a prefeitura aposta para atrair novos empresários e ampliar a arrecadação.

Localizado em área de 104 hectares próxima à Vila Princesa, na Zona Norte da cidade, o novo centro industrial tem previsão de lançamento oficial para o mercado no começo do mês de maio. De acordo com o arquiteto Marcelo Moreira, responsável pelo projeto e investidor do Eixo Sul, em parceria com a Lorenzetti Empreendimentos Imobiliários, os primeiros passos serão atrair novas empresas para os 113 lotes disponíveis e dar início às obras de urbanização.

“Funcionará nos moldes de um bairro planejado residencial, só que totalmente voltado à indústria, ao comércio e à logística”, explica. A projeção é de que sejam aplicados nos próximos meses pelo menos R$ 20 milhões na implantação de infraestrutura básica como asfalto, água, esgoto, eletricidade e telefonia, além de áreas de lazer, restaurantes e outras ações urbanísticas. Como em qualquer condomínio, as despesas de manutenção da infraestrutura e com segurança particular serão divididas entre todas as empresas instaladas no local.

Como medida mitigatória pelo uso da área, o município exigiu que os proprietários do loteamento cubram os custos para a pavimentação da estrada de acesso ao Monte Bonito, que faz limite ao Sul com o distrito industrial.

Implementos e logística
Por conta do momento econômico bem diferente de quando o empreendimento foi apresentado à prefeitura, ainda em 2013, os proprietários do Eixo Sul admitem que algumas empresas que se interessaram inicialmente pelo distrito podem estar indecisas quanto à instalação em Pelotas. No entanto, tanto Moreira quanto a prefeitura confiam que por estar em um dos mais importantes corredores logísticos do Estado, a tendência é de que Pelotas atraia empresários especialmente das áreas de alimentos, transportes e implementos agrícolas.

O empresário Marcelo Iribarrem, 37, acredita no crescimento com uma nova estrutura física. Um dos primeiros a adquirir uma área no condomínio industrial, projeta fazer a mudança da sua concessionária de máquinas agrícolas para o terreno de cinco mil metros quadrados já no mês de julho. “Há uma demanda por estes equipamentos na região que trouxe a necessidade de ampliarmos o espaço”, conta.

Conforme o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Fernando Estima, o município pretende também conquistar empreendimentos para dois outros distritos industriais: em frente ao Centro de Eventos Fenadoce (região da antiga Vega) e na Sanga Funda. Somadas as duas zonas mapeadas, são 52 hectares disponíveis.

“Pelotas precisa rapidamente se reempresariar, captando empresas de logística. Somos um polo na área de armazenamento de grãos, de distribuição regional de produtos diversos e caminho para o Porto de Rio Grande. Um potencial muito grande e que precisa ser aproveitado pela cidade e pelos empresários”, argumenta.


Comentários


  • Não há comentários, seja o primeiro a comentar!


Diário Popular - Todos os direitos reservados