Saúde

No combate ao câncer de boca

Prevenção e diagnóstico precoce são as principais bandeiras do Maio Vermelho

20 de Abril de 2017 - 06h30 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Tânia Cabistany
taniac@diariopopular.com.br 

É preciso ficar atento aos sintomas e buscar ajuda médica (Foto: Paulo Rossi - DP)

É preciso ficar atento aos sintomas e buscar ajuda médica (Foto: Paulo Rossi - DP)

O câncer bucal é o quinto tipo que mais afeta homens no Brasil. A incidência nas mulheres é de menos da metade. Como fatores de risco são apontados o consumo de álcool e fumo, pessoas de pele clara, exposição à radiação solar e idade superior a 40 anos. Em Pelotas, no ano passado, foram feitas 724 biopsias e dessas, confirmados 45 casos de câncer de boca, incluindo lábio e intraorais, sendo dois deles superficialmente invasivos, segundo dados do Centro de Diagnóstico de Doenças da Boca, da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Em nível nacional, a estimativa de novos casos, conforme o Instituto do Câncer (Inca), é de mais de 15 mil. Até 2013 foi registrada a morte de mais de cinco mil pessoas.

O aposentado Manoel da Silveira Brum, 91, fez parte da estatística de pessoas acometidas por câncer bucal, passou por duas cirurgias e se curou. Recebeu o diagnóstico em 2011. Era uma lesão só, fez biopsia, que confirmou o carcinoma, passou pela cirurgia e depois teve uma recidiva. A intervenção foi feita na boca e consistiu também em esvaziamento cervical, explica a coordenadora do Centro de Diagnóstico de Doenças da Boca (CDDB), Ana Paula Gomes, ao relatar que Manoel é seu paciente desde 2002.

Diferentemente de qualquer pessoa nessa situação, ele não perdeu a tranquilidade e enfrentou a doença de forma corajosa. “Eu disse para a doutora: todo mundo tem, porque eu não vou ter? Todo mundo vai morrer, eu aceitei com a maior naturalidade. Passei por duas cirurgias bem feitas na FAU (Hospital-Escola da UFPel), assim como fui muito bem atendido aqui (Centro de Diagnóstico)”, conta ele, antes da avaliação por que passa com frequência na Faculdade de Odontologia.

E segue: “Sou tranquilo. Na minha idade já não tenho com o que me preocupar e a melhor coisa é a alimentação. Tomo um café da manhã reforçado, almoço (lá em casa tem feijão todos os dias), tomo café da tarde e antes de deitar uma batida de abacate com duas bananas. Seis e meia já estou em movimento e às sete e meia na rua caminhando com meu cachorro”, relata.

Bem disposto, dono de uma simpatia ímpar, alegre e muito lúcido, Manoel nem de longe demonstra ter ficado doente um dia. Diz que dorme muito bem e come para viver. É uma verdadeira lição de vida. Considera que a pessoa quando passa dos 70 anos tem de fazer força para viver. “Senão é que nem a música do Raul Seixas: fica sentado numa cadeira esperando a morte chegar. Tem que caminhar, se alimentar bem e saber viver”, dá o recado, para quem passa pela mesma situação que ele já passou e superou com nota mil.

Dia estadual de luta
Em um esforço para conscientizar a população sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce, foi instituído o dia 31 de maio como Dia Estadual de Luta contra o Câncer Bucal. A Campanha Integrada de Prevenção e Diagnóstico do Câncer Bucal alerta à importância do autoexame. Em parceria com o CDDB, a prefeitura desenvolverá campanha nos dias 10 e 11 de maio, quando em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) das zonas urbana e rural e nos dois Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs) do município (Sorrir e Jequitibá) o atendimento será direcionado ao exame bucal, com ênfase na detecção de lesões dos pacientes que procurarem os serviços.

Na Faculdade de Odontologia serão realizadas capacitações e as equipes vão qualificar os profissionais das UBSs de Pelotas e região para maior atenção ao câncer bucal. O trabalho vai envolver também os alunos da graduação. De acordo com a professora titular do Departamento de Semiologia e Clínica das disciplinas de Unidade e Diagnóstico Estomatológico II e de Patologia Geral da Faculdade de Odontologia da UFPel, Sandra Tarquinio, feridas que não cicatrizam ou duram mais do que duas a três semanas, manchas brancas ou avermelhadas, caroços persistentes, no teto da boca ou na região do pescoço, devem ser investigadas.

A rede básica de saúde de Pelotas tem 45 UBSs com consultório odontológico. Apenas as do Areal Fundos (UFPel), CSU Areal (UFPel), Fátima (UCPel), Virgílio Costa, Cohab Fragata, Colônia Corrientes e Colônia Vila Nova não possuem.

Conforme a chefe do setor de Saúde Bucal da Secretaria Municipal de Saúde, Mariane Laroque, são feitos em torno de nove mil procedimentos odontológicos ao mês, sendo que cada paciente recebe em média três procedimentos por atendimento.

São encaminhados em torno de 13 pacientes por mês para especialidade de diagnóstico bucal, com ênfase na detecção do câncer de boca. Esclarece que a especialidade é oferecida apenas no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) Jequitibá, que funciona dentro da Faculdade de Odontologia, onde se encontra o Centro de Diagnóstico de Doenças da Boca (CDDB).

Estatística nacional
Estimativa de novos casos: 15.490, sendo 11.140 homens e 4.350 mulheres
Dos casos de câncer de boca, 90% ocorrem em fumantes
Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Pelo CDDB
-2016
-1.782 consultas
-724 biopsias
-45 casos confirmados de 1959 a 2012 - 20.206 diagnósticos e 806 confirmações

Sintomas
Os principais sinais que devem ser observados são:
-Lesões na cavidade oral ou nos lábios que não cicatrizam por mais de 15 dias
-Manchas/placas vermelhas ou esbranquiçadas na língua, gengivas, palato (céu da boca), mucosa jugal (bochecha)
-Nódulos (caroços) no pescoço
-Rouquidão persistente

Nos casos mais avançados observa-se:
-Dificuldade de mastigação e de engolir
-Dificuldade na fala
-Sensação de que há algo preso na garganta

Saiba mais

É possível descobrir o câncer de boca no início?
Sim. O exame rotineiro da boca feito por um profissional de saúde pode diagnosticas lesões no início, antes de se transformarem em câncer. Pessoas com mais de 40 anos que fumam e bebem devem estar mais atentas e ter sua boca examinada por profissional de saúde (dentista ou médico) pelo menos uma vez ao ano.

O autoexame previne a doença?
O autoexame da boca é uma técnica simples que a própria pessoa faz para conhecer a estrutura normal da boca e assim identificar possíveis anormalidades, como mudanças na aparência dos lábios e da parte interna da boca, endurecimentos, caroços, feridas e inchações. Entretanto, esse exame não substitui o exame clínico realizado por profissional de saúde treinado.

Como diminuir o risco?
-Evite ou reduza o consumo de fumo e de álcool.
-Mantenha uma boa higiene bucal.
-Faça uma alimentação rica em frutas, verduras e legumes.
-Visite o dentista regularmente.

Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Fatores de risco
Os fatores de risco mais conhecidos para esse tipo de câncer são o tabaco (cerca de 90% dos pacientes), o consumo regular de bebidas alcoólicas, vírus HPV, radiação solar, higiene bucal deficiente e uma dieta pobre em proteínas, vitaminas e minerais e rica em gorduras.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados