Dissídio

Metalúrgicos da QGI rejeitam proposta salarial e entram em greve

Sindicato patronal fez nova oferta elevando o índice de reajuste para 2%, o que não agradou a categoria; trabalhadores do EBR aderiram ao movimento na terça-feira

17 de Maio de 2017 - 10h41 0 comentário(s) Corrigir A + A -
Os índices oferecidos pelo Sindicato patronal não agradaram a categoria que decidiu pela mobilização. (Foto: Carlos Queiroz)

Os índices oferecidos pelo Sindicato patronal não agradaram a categoria que decidiu pela mobilização. (Foto: Carlos Queiroz)

Por Cíntia Piegas e Roberto Ribeiro

Em assembleia realizada na manhã desta quarta-feira (17), os trabalhadores do Estaleiro Queiroz Galvão e Iesa Óleo e Gás (QGI), em Rio Grande, rejeitaram a proposta do Sindicato Patronal e entraram em greve por tempo indeterminado. Eles seguem a decisão do trabalhadores do Estaleiro Brasil (EBR), em São José do Norte que optaram quase que unanimemente pela paralisação até que sejam atendidas reivindicações da categoria: 10% de reajuste salarial (6% de ganho real mais a inflação) e R$ 600,00 em vale-alimentação. Ao todo são mais de 3,2 mil trabalhadores paralisados. 

Ainda na terça-feira, uma nova proposta foi ofertada pela classe patronal, elevando de 1% para 2% o reajuste, mais a inflação. O valor do vale passaria dos R$ 450,00 para R$ 485,00. Mas para isso, os trabalhadores precisaram abrir mão de direitos já adquiridos, como o valor em dobro da hora trabalhada aos sábados e a folga na última sexta-feira do mês para recebimento de salários.

Os índices não agradaram a categoria que decidiu pela mobilização. O vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Sadi Machado, disse ainda que a rejeição em São José do Norte atingiu quase que 100%. "Em nenhum momento nós iremos fechar o diálogo com os empresários. Mas a proposta não atende as necessidades. Por exemplo, a cesta básica em Rio Grande está em R$ 464,00, a segunda mais cara do Estado, perdendo apenas para Porto Alegre." Ele lembra que no QGI são montados os módulos finais das plataformas P-75 e P-77.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados