Artigo

Pelotasso

13 de Novembro de 2017 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Paulo Rosa - Piratini, Hospital Espírita, UCPel - prosasousa@gmail.com 

Dom Antonio Zattera fez um pelotasso ao criar a Universidade Católica há mais de 50 anos. Outros também fizeram pela cidade, mas, na área cultural-social ele foi precursor e plantou sementes que aí seguem. Talentos germinais sabem congregar gente para realizar coisas, já que sozinho, nada. Dom Antonio acumulava obstinação, calidez e agudeza, não procrastinava com melodramas. Há milênios, ao pedir-lhe apoio para fazer um doutorado fora, não titubeou: “seja feliz, caro filho”, liberando minha saída no ato. Junto com o Chiarelli, o Cruz, o Jardim, o Baruffa, o Macedo, o Lori e outros tantos, tive o privilégio desse convívio e de ouvir o indefectível “caro filho”, dentro da voz tonitruante. Nessa tônica estendeu o esforço máximo ao deixar ainda a pleno o Instituto de Menores e o seu slogan renovador na parede do Areal: ele não pesa, é meu irmão. Um homem solidário.

Por ser avant la lettre Dom Zattera enfrentou preconceitos e muitas passagens lhe foram pesadas, mas ele as colocava com prudência franciscana, sem queixas e sem perder o foco em sua meta paroquial. Talvez fosse um leitor do espanhol Baltazar Gracián, o jesuíta do século 14 e suas máximas sobre a prudência que, entre outras, dizia: lo bueno, si breve, dos veces bueno. Dom Antonio também não tinha pressa, mas jamais perdia tempo.

Estaria ele feliz com este momento da sua UCPel. Ao ver que a Escola de Medicina, pela qual se dedicou a fundar, passou a ser em 2017 a maior escola médica do Rio Grande, estaria gratificado. Assim também o Professor Bachettini, o reitor cirúrgico, ao voltar-se agora a tornar o Curso também o melhor do Estado. Terá a benção de Dom Antonio e a parceria de sempre. Como me agradaria ver, no período que se abre, a presença de matérias esquecidas nas Medicinas em geral, tipo a preparação em Filosofia Médica, bem como o uso de tecnologias como a simulação médica no aprimoramento dos novos alunos. E nessas aberturas que baixasse o pensamento do português endiabrado Ariel Salazar: quem só sabe de Medicina, nem de Medicina sabe. Que Dom Antonio Zattera descanse em merecida paz, o pessoal segue trabalhando.


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados