Artigo

Sabor de poesia com rapadura

13 de Fevereiro de 2018 - 05h00 0 comentário(s) Corrigir A + A -

Por: Manoel Jesus, Educador - manoeljss21@gmail.com

Semana passada parei para ver e ouvir atento vídeos do cordelista Bráulio Bessa - programa Fátima Bernardes - com poesias em que mistura o cheiro da terra, sabores da vida e da convivência humana. Foi também a oportunidade em que comuniquei ao Instituto Paulo VI que não cursaria o segundo ano de Teologia.

Depois de me deparar com o primeiro, recorri ao YouTube e fui assistindo encantado àquele nordestino mostrando que fazer poesia não é apenas revestir de rimas os sentimentos. Mas a busca incansável da palavra mais próxima para que dos olhos transbordem sentidos, inclusive religiosos, também os ligados ao Mistério.

O mesmo que eu procurei ao longo do ano passado em estudos e na convivência nas dependências do Seminário Diocesano. Quando iniciei, tinha um objetivo muito claro: a minha formação para auxiliar, especialmente, aqueles que se preparam para a liderança dentro da Igreja Católica: sacerdotes, diáconos e ministros.

O cordelista afirma num de seus poemas que “o tempo é um segredo e acredite: é muito cedo pra dizer tarde demais”. Ao longo do ano - como aluno e como professor - me ofereci para discutir os processos didáticos e pedagógicos da formação. Por diversas circunstâncias, as mudanças aconteceram sem a participação tanto de professores, quanto de alunos, ou, se aconteceu, foi de forma esporádica e sem que se fizesse conjunto.

Havendo quem melhor possa fazer com que se aperfeiçoe o processo, recolho-me. Não é somente uma questão de projeto burocrático, mas uma mística que se deixa para trás ao contemplar o acadêmico em detrimento do pastoral.

Uma das melhores lembranças da infância era meu pai colocando sobre uma pedra uma rapadura e cortando com um facão. Os pedaços eram disputados e valia a pena o esforço para sorver tanta doçura. Chamar ao quadro de “poesia com rapadura” é misturar literatura com um quê de divino: aguçando todos os sentidos!

Como educador, tento mostrar que aguçar os sentidos é exatamente a capacidade de construir conhecimento necessário para melhorar as relações. Porque, “nunca é tarde pra sonhar... e entender que a esperança nem sempre será visível”, pois “a vida é uma corrida que não se corre sozinho, que vencer não é chegar, é aproveitar o caminho”!


Comentários

Diário Popular - Todos os direitos reservados